Mudando para os Estados Unidos

Os Estados Unidos ainda são um dos países mais populares para a relocação. Graças a sua economia geralmente promissora, às oportunidades de negócios e a suas belas paisagens, muitos estrangeiros ainda desejam fazer parte do “sonho americano”.
Mesmo em meio a um momento econômico conturbado, o país ainda é considerado um dos melhores para investir e ganhar dinheiro. Porém, antes de decidir mudar para os EUA, é necessário tomar algumas precauções e, principalmente, planejar o futuro.
Como explica a advogada Genilde Guerra, que é especializada em imigração estadunidense, é sempre desejável consultar um advogado qualificado antes de tomar quaisquer ações ou decisões. “As leis de imigração dos EUA são muito complexas e eventuais violações de status, mesmo que inadvertidamente, podem prejudicar suas chances futuras de se tornar um cidadão ou residente permanente dos EUA”, afirma.
Visto
A advogada enfatiza que o primeiro passo para a mudança permanente ou temporária aos EUA é decidir qual visto se adequa melhor a cada caso. “Uma das categorias mais frequentes que permitem a mudança é o visto de trabalho H-1B, que é emitido por três anos e pode ser renovado por até seis anos. A vantagem dessa categoria é que o titular pode eventualmente requerer a cidadania ou pode se tornar residente permanente”.
Ela também conta que há outros tipos de visto de “auto petição”, como o Treaty Trader Visa, com o qual o estrangeiro deve estabelecer um negócio nos EUA, o Investment Visa, que também exige a abertura de um negócio, além de investimento de capital de risco; os visto de transferência intra-empresas L-1A e L1-B, que permitem que um proprietário de empresa no exterior transfira a si mesmo, juntamente com seus familiares ou com seus principais executivos e gerentes, por meio da abertura de uma subsidiária da empresa nos EUA.
“A maioria dos indivíduos imigra aos Estados Unidos por meio de petições no âmbito familiar por ofertas de emprego”, diz.
Há mais de 30 categorias de vistos diferentes, cada uma envolve diferentes combinações de condições ou classificações.
Documentos
Quando o visto estiver pronto, é necessário reunir todos os documentos a serem utilizados durante a estadia. O processo é geralmente demorado e, por isso, é aconselhável preparar toda a documentação antecipadamente. Se o estrangeiro vem com membros da família (cônjuge e filhos menores de 21 anos), ele deve obter cópias autenticadas das certidões de nascimento, casamentos ou divórcios certificados. Além disso, referências de crédito e cópias do histórico de trabalho podem colaborar para a obtenção de crédito nos Estados Unidos.
Tributação
Um dos principais fatores a considerar com a mudança é o código tributário. “Não somente você será tributado sobre toda a sua renda dos EUA, mas também sobre a sua renda total em todo o mundo se você ficar fisicamente mais de 183 dias neste país, mesmo se estiver na condição de turista. É importante consultar um profissional contábil ou um advogado para evitar o excesso de tributação”, aconselha Genilde.
Encontrar moradia
Com a ajuda de um agente imobiliário ou um advogado, o imigrante deve procurar uma casa que se adeque às suas necessidades. Se tem filhos, é importante considerar cidades ou bairros que contam com boas escolas, bem como serviços básicos, como hospitais, bancos, correios, lojas de conveniência e restaurantes.
Por fim, é importante se familiarizar com as regras, hábitos, idioma e comportamentos do país. Esses são fatores determinantes para tornar a mudança mais fácil e agradável.